- PUBLICIDADE -

Como anda o desempenho de seu candidato?

Na última eleição votei em três candidatos e tenho acompanhado e cobrado de perto a atuação de cada um deles: Arruda (Governador), Fraga (Deputado Federal) e Patrício (Deputado Distrital).
Seguindo a máxima de que polícia vota em polícia escolhi aqueles que acreditava melhor representar o meu pensamento e o da tropa. A cada dia fico decepcionado ao analisar a atuação individual de meus representantes, mas quantos de nós estão acompanhando de perto a atuação daqueles a quem deram seus preciosos votos?
Quantos tem consciência do valor do voto?
Quantos fazem cobranças sem fundamento?
Quantos criticam por criticar?
Quantos nem se lembram em quem votou?
Quantos só pensam em aumento salarial e se esquece do resto?
Quantos querem o fim dos postos policiais, sem pensar no investimento de 104 mil em cada posto e no prejuízo para os cofres públicos?
O que traz mais resultados, abandonar um projeto e todo o dinheiro investido ou melhorá-lo, colocando-o em pleno funcionamento?
Por que cada posto policial não possui uma viatura, computador, efetivo e tudo mais que necessitamos?
Por que sempre aceitamos as mentiras de nossos representantes?
Buscando informação a respeito me deparei com um texto, no site da UNB, muito interessante, pena eu não ter acesso a monografia completa, mas deu para ter uma noção…
Divulgação Científica
Pesquisas
Comentáriospolítica
Estudo relaciona comportamento do eleitor com consumidor
Segundo economista, eleitores precisam se informar com a política da mesma maneira que fazem do uso de dinheiro
Lorena Castro
Da Secretaria de Comunicação da UnB
O brasileiro se preocupa muito quando o assunto é desperdiçar dinheiro. Mas por outro lado, quando participa de eleições, não há interesse em fiscalizar o gasto público. Uma pesquisa da UnB usou a teoria econômica para estudar o comportamento do eleitor e comprovou que os brasileiros são desinformados quando se trata de política, e não agem em proteção de seus interesses, como fariam com seu dinheiro. Mas por que essa relação divergente?
A dissertação de mestrado do economista José Jorge Gabriel tenta averiguar se os brasileiros avaliam os políticos com base no seu desempenho no último mandato. O pesquisador trabalhou com duas hipóteses. A primeira é que o eleitor não se informa sobre os políticos que escolhe. A segunda é que eles não sabem atribuir corretamente quem faz o que na política, ou seja, confunde avanços que vieram de políticas federais com a real eficiência do governador de seu estado.
José Jorge avaliou um total de 108 eleições: todos os pleitos estaduais, em quatro momentos: 1994, 1998, 2002 e 2006. E comparou os resultados com o desempenho dos índices de desemprego, PIB, pobreza, saneamento e segurança. A pesquisa, com foco nas eleições dos governadores, apontou que o eleitor vota com base em informações vagas sobre o desempenho prévio do político.
A variação dos votos que um candidato tem de uma eleição para outra acompanha a evolução dos cinco índices econômicos e sociais analisados por Jorge. Segundo ele, os brasileiros têm dificuldades em separar de atuação do governo estadual das políticas federais.
José Jorge chamou essa influência de “efeito carona”. Os políticos locais tendem a se beneficiar com as taxas de crescimento do país, melhorando sua imagem junto ao eleitorado. O estudo apontou que se o país vai bem, o político tem mais chance de reeleição, mesmo que não tenha responsabilidade direta na situação sócio-econômica de seu estado.
“Muitas vezes, o eleitorado não sabe dar o crédito da ação à pessoa pública ou gestão responsável”, destaca. Um exemplo é como o preço das commodities influencia a política. Nos últimos anos, as exportações de produtos agropecuários cresceram muito. Isso repercutiu nas economias locais, gerando empregos e aumentado a renda média da população. O eleitor, contudo, não sabe a quem atribuir essa melhoria de vida.
Por conta dessa avaliação imprecisa, ele acaba por prejudicar o desenvolvimento da democracia. Desinformados, os brasileiros assistem ao desperdício dos recursos públicos. As conclusões da pesquisa apontam que o eleitor brasileiro é muito suscetível a “choques exógenos” na política local, ou seja, sua avaliação não é restrita à capacidade do(a) governador(a).
“Para o bom funcionamento da democracia é preciso que o eleitorado se informe mais, especialmente sobre a economia e a política do país”, elucida o pesquisador. “Só assim nosso dinheiro será mais bem gasto pelas pessoas que delegamos poder e em prol da sociedade”, conclui.
Pelo email: [email protected]
Fonte: http://www.unb.br/noticias/bcopauta/index2.php?i=551

Aderivaldo Cardoso
Aderivaldo Cardosohttps://policiamentointeligente.com
Especialista em segurança pública e cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
- PUBLICIDADE -

COMENTÁRIOS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -