- PUBLICIDADE -

Policiamento inteligente faz a diferença!

Ao entrar no site da PMDF tive uma grande surpresa. Primeiro vi a crítica aos sites de policiais “subversivos” e logo me preocupei, pois alguns me consideram um “subversivo perigoso” que estimula a tropa a refletir sobre assuntos considerados “tabus” em nosso meio. Mas ao terminar a leitura do texto do Jornal de Brasília, publicado no site da PMDF, percebi que o Blog Policiamento Inteligente está fazendo a diferença na sociedade. A mudança cultural pregada aqui, que até pouco tempo era uma utopia, começa a se tornar uma realidade!
Obrigado a todos os leitores que contribuem para melhoria de nossa segurança pública.
Jornal de Brasília – 10AGO09 – Cidades
BLOGS POLICIAIS Desabafos cibernéticos
Integrantes de corporações no DF usam internet para críticar os seus superiores
Se dentro dos quartéis e delegacias eles medem as palavras, com receio de punições, na internet expressam quase tudo o que sentem em relação às instituições. No Distrito Federal, policiais civis e militares passaram a utilizar blogs para criticar comandos, promover ataques aos superiores e contar histórias de ações nas ruas. O Jornal de Brasília identificou sete sites que se dedicam a discutir assuntos de interesse dos agentes. No “Blog da Segurança Pública”, um dos mais acessados, um dos comentários deixa claro qual o objetivo da página virtual: “Os policiais militares do DF não se calarão diante de desmandos e incompetência na administração da PM. A instituição é que vai ter que se adaptar a esses novos canais de comunicação…”. A frase é um recado aos que tentam intimidar os subordinados. No ano passado, a Divisão de Repressão a Crimes de Alta Tecnologia do DF (Dicat), investigou, a pedido das corporações, três blogs mantidos por policiais. O titular da Dicat, delegado Sílvio Cerqueira, não revela detalhes, mas explica como funciona a apuração de um blog, ou outra ferramenta da internet que deturpe a imagem das instituições. Segundo Cerqueira, o trabalho dos agentes é identificar os policiais que usam pseudônimos para denegrir a imagem das instituições. “Nós não temos uma equipe que fica monitorando fofocas e acusações de policiais na internet. A Dicat começa uma apuração quando chega algum pedido. Ao identificarmos o policial, produzimos um relatório e encaminhamos à unidade que fez o pedido, que irá avaliar o que fará com o policial”, conta o delegado. Na capital, o único caso que se tornou público até agora foi o do tenente Floriano Cathalá, que se desligou da PM voluntariamente. Enquanto estava na ativa, o oficial questionou informações da PM no “Blog do Cathalá”. O processo foi arquivado. No blog “Papo de e para Polícia”, supostos policiais também desferem fortes críticas ao alto escalão da PM. Uma das frases, postada em fevereiro do ano passado ironiza a forma como o então comando investia o dinheiro destinado à corporação: “Engraçado, são raros os meses em que sobra salário para o mês. Chega ali pelo dia 20, 25 e lá estou eu usando os cartões. Já os coronéis da PMDF têm um problema diferente. Acaba o ano e sobra dinheiro. Isso mesmo, eles não conseguem planejar adequadamente e gastar a parte do fundo constitucional destinado à PM”. O blog “Policiamento Inteligente”, mantido pelo soldado da PM Aderivaldo Martins Cardoso, procura promover debates sobre temas atuais relacionados à força. Um dos posts tinha como título “A importância do controle emocional”. Ele faz uma análise sobre o tiro acidental que feriu um PM no evento de comemoração aos 200 anos da PM de Goiás, no Congresso Nacional.
SEM CENSURAR
O corregedor da Polícia Militar no Distrito Federal, coronel Francisco das Chagas Soares Maia, garante que a PM não censura nenhum tipo de manifestação na internet, desde que não ofenda a honra da instituição. “Quando chega uma denúncia que algum militar esteja usando a internet para macular o nome de uma instituição bicentenária, nós devemos apurar com rigor e tomar as providências necessárias”, diz o oficial. O coronel diz que a PM já identificou dois policiais que utilizavam blogs, de acordo com ele, para difamar a corporação, mas não se recorda se houve punição. “Me recordo de dois casos, mas não se houve punição”.
SAIBA +
O comando pode determinar abertura de um Inquérito Policial Militar, que poderá até resultar na prisão do autor do blog. Se for praça com estabilidade, ele será submetido a um conselho de disciplina. Se for praça com menos de dez anos de serviço, será aberto um processo administrativo. As punições podem ser de advertência verbal, prisão e, se o caso for muito grave, até o desligamento da corporação.
Fonte: PMDF

Aderivaldo Cardoso
Aderivaldo Cardosohttps://policiamentointeligente.com
Especialista em segurança pública e cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
Notícia anteriorO que é patrimonialismo?
Próximo notíciaObrigado aos mestres!
- PUBLICIDADE -

COMENTÁRIOS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -