- PUBLICIDADE -

A importância do controle emocional…

O final de semana me fez refletir bastante. A morte de maneira covarde de um companheiro de farda me fez recordar um desejo de criar uma rede de proteção a família policial (RPFP), visando nos proteger e a nossa família, que iria desde ajuda financeira em casos de saúde até uma “força tarefa” para ajudar a prender bandidos que atentarem contra a vida da família policial do DF. Por enquanto é somente um desejo.
Levando em consideração a revolta que estamos sentindo, irei postar novamente um texto que trata do controle emocional. Não podemos deixar a emoção nos atrapalhar. Gosto da frase de um filme que diz: “nunca odeie seus inimigos, pois isso atrapalha a pensar (afeta o raciocínio)!” 

 
Matar policiais é atentar contra o próprio estado. Precisamos levantar essa bandeira. É preciso transformar o crime contra policiais em CRIME HEDIONDO! Precisamos nos indignar, protestar e mudar as normas! Vamos entrar para valer nessa luta!!!
Ao ler um artigo da Drª Elizete Malafaia, psicóloga e terapeuta de família, percebi a importância de se buscar o “aprimoramento” emocional!
Segundo ela, nós, ocidentais, valorizamos mais o pensamento racional, lógico e abstrato. Assim, para muitos, os apectos emocionais e intuitivos são menos importantes. Alguns dizem que sentimentos e intuições são “coisas de mullher”.
É interessante observarmos que em nossa vida temos vários exemplos de como a razão e a lógica perdem sua força e os argumentos diante de uma explosão emocional. Temos que quebrar o paradigma de que somos “superiores ao tempo” e tudo mais que está a nossa volta.
É necessária uma conscientização de que somos seres emocionais, e precisamos reciclar-nos emocionalmente todos os dias.
Infelizmente nossa sociedade valoriza mais a aparência, o consumo, a riqueza material e a juventude do que a alma e o espírito humano. Segundo a psicóloga, temos como resultado disso o envolvimento crescente de pessoas com drogas, álcool e as chamadas “pílulas” da felicidade. Para outros, e isso já aconteceu comigo, a fuga é o trabalho em excesso. Tudo isso mostra a procura das pessoas por alguma coisa que perderam, diante da incapacidade de instrospecção, de valorizar os sentimentos e de contentar-se com as pequenas coisas que as emocionam.
A desvalorização das emoções interfere e atrapalha nossos relacionamentos. O emocional é muito importante, pois somos seres emocionais e, nas horas menos convenientes, podemos ser dominados pelas emoções e fazer bobagens. Isso ocorre porque as emoções reprimidas e mal resolvidas podem transformar-se em uma energia potencialmente violenta. Logo, precisamos aprender a expressar e a cultivar os nossos sentimentos, cuidando deles com muito carinho, muita atenção e muita dedicação, para que não nos transformem em uma fera que agrida o nosso próximo e a nós mesmos.
O policial, mais que qualquer outro cidadão, deveria ter conciência disso, seria importante aprendermos isso desde nossos primeiros passos dentro da corporação!

Aderivaldo Cardoso
Aderivaldo Cardosohttps://policiamentointeligente.com
Especialista em segurança pública e cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
- PUBLICIDADE -

COMENTÁRIOS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -