- PUBLICIDADE -

Segurança: Comunidade não quer terceirização de "postinhos"

 O Conselho de Segurança de Brasília é contra a tercerização da vigilância dos postos comunitários de segurança. De acordo com o presidente do Conselho, Saulo Santiago, além de gerar um custo adicional para os cofres públicos, a contratação dos vigilantes não permitirá que os ‘postinhos’ cumpram a função para a qual foram pensados – a de manter policiais militares dentro das comunidades. …
“A ideia dos ‘postinhos’ era aproximar a Polícia Militar da população. O vigilante não será capaz de atender à comunidade da mesma maneira que o policial militar faz. Ele não tem o preparo necessário para isso”, afirma Saulo Santiago, presidente do conselho comunitário.
Estrutura
A instalação dos postinhos foi uma das principais políticas de segurança do governo José Roberto Arruda. Cerca de R$ 120 milhões foram gastos na instalação de 124 estruturas equipadas com computadores e telefones. Ali, uma dupla de policiais ficaria acessível às demandas dos moradores. O problema é que a necessidade de conservação do patrimônio público amarrou os policiais aos postinhos.
Eles começaram a recusar os pedidos de atendimento da comunidade, argumentando que não poderiam deixar a estrutura física sem ninguém. Em um segundo momento, os PMs passaram a deixar os postos trancados para prestar auxílio para a população, o que também desagradou os moradores. No ano passado, o governo Agnelo avisou que contrataria vigilantes para os postos para dar mobilidade aos policiais.
O chefe da Comunicação da PM, tenente-coronel Helbert Borges Mariz, informa que pelo menos 160 vigilantes serão contratados para cuidar dos postinhos. O Conselho de Segurança argumenta que os recursos deveriam ser destinado para a contratação de PMs.
A contratação dos vigilantes que assumirão a segurança dos postinhos comunitários de policiamento depende da conclusão de uma grande licitação de serviços de segurança patrimonial que está sendo tocada pela Secretaria de Planejamento e Orçamento do DF.
A licitação está em sua fase final – aguardando a apreciação dos órgãos de controle para que o edital seja lançado. O projeto básico prevê a criação de 10.168 mil postos de trabalho para vigilantes e 100 supervisores que atenderão aos órgãos do GDF.
Os serviços serão prestados a todas as secretarias de estado, às Administrações Regionais, às polícias Militar e Civil, ao Corpo de Bombeiros e às 652 escolas. públicas. Os vigilantes também atenderão a Procuradoria Geral de Justiça do DF, a Agência de Fiscalização do Distrito Federal, aos hospitais e postos de saúde. De acordo com a Secretaria de Planejamento, a contratação conjunta – que será feita por adesão – propiciará uma economia de R$ 100 milhões aos cofres públicos. A secretaria não divulga, entretanto, qual o valor estimado dos serviços. A Polícia Militar declarou que precisa de 400 vigilantes. Além dos postinhos, a PM também planeja colocar vigilantes nos quartéis. Sobre as críticas do Conselho de Segurança, a PM informa que os objetivo não é transferir a responsabilidade dos postos aos vigilantes, mas apenas garantir a segurança do patrimônio público. “É apenas uma complementação”, justifica o chefe da comunicação social, Helbert Borges Mariz.
Fonte: Metro Brasília – 22/01/2013
imagespostos-comunitc3a1rios
Aderivaldo Cardoso
Aderivaldo Cardosohttps://policiamentointeligente.com
Especialista em segurança pública e cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
- PUBLICIDADE -

COMENTÁRIOS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -