- PUBLICIDADE -

Para ministro, é preciso evitar que militares entoem cânticos de morte!

Há tempos falo sobre mudança cultural, policiamento inteligente e quebra de paradigmas. A cada dia tudo está mais latente. Falamos muito sobre adequação da Corporação ao Estado Democrático de Direito e as diferenças básicas entre os três paradigmas da segurança pública (Segurança Nacional, Segurança Pública e Segurança Cidadã), trago tudo isso de maneira mais detalhada em meu livro.
Recentemente o ministro Celso Amorim fez algumas declarações sobre os cantos utilizados para “motivar” os “soldados” nas Forças Armadas. A mesma canção utilizada já foi cantada por minha turma ao corrermos pelas ruas de Taguatinga no ano de 2000. A música se inicia dizendo: “VOU LÁ NA FAVELA PEGAR O DELINQUENTE…” Se nas Forças Armadas, onde são treinados para matar não pode (não é mais tolerado pela sociedade), imaginem só na nas Corporações Policiais, que são treinadas para limitar condutas. Precisamos refletir. Isso nos remete aos fatos recentes divulgados na mídia local.

 
Amorim diz ser ‘inaceitável’ o cântico da morte do Exército
Para ministro, é preciso evitar que militares entoem ‘quebra ossos até morrer’
 

BRASÍLIA – O ministro da Defesa, Celso Amorim, condenou na tarde desta terça-feira o episódio em que militares do 1º Batalhão de Polícia do Exército, no Rio, foram flagrados entoando nas ruas da cidade, durante exercício físico, os versos “Bate, espanca. Quebra os ossos até morrer”. Na sequência, o instrutor da corrida, perguntava: “E a cabeça?”. Os soldados respondiam: “Arranca a cabeça e joga no mar”. De novo o instrutor: “E quem faz isso?”. A resposta do grupo: “O Esquadrão Caveira”.
O comportamento dos militares foi revelado na terça-feira passada, na coluna “Panorama Político”, de Ilimar Franco.
– O episódio, se verdadeiro, é absolutamente inaceitável. Terão que ser feitas as correções. E as informações até agora obtidas, foi aberta uma sindicância, indicariam que não teria ocorrido da forma exatamente como está descrito. Vamos esperar a sindicância. Não deixaremos de trabalhar para atuar em relação ao episódio, caso tenha ocorrido, para que não aconteça mais. Não tem sentido e não creio que o Exército brasileiro se valha daquele tipo de incentivo. E o Exército está plenamente consciente disso. O exemplo é o Complexo do Alemão, onde se combinou firmeza da repressão e diálogo – disse Celso Amorim.
O ministro esteve nesta tarde no Senado, onde entregou ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), minutas do Livro Branco e das novas versões da Política Nacional de Defesa e da Estratégia Nacional de Defesa. Amorim afirmou ainda, sobre o episódio ocorrido semana passada na Polícia do Exército do Rio, que o Comando Militar do Leste deve divulgar uma nota nesta terça ou amanhã sobre o assunto.
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/amorim-diz-ser-inaceitavel-cantico-da-morte-do-exercito-5502798#ixzz20yl6Pb00

Aderivaldo Cardoso
Aderivaldo Cardosohttps://policiamentointeligente.com
Especialista em segurança pública e cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
- PUBLICIDADE -

COMENTÁRIOS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -